O sexto sentido

Por Michel Aires de Souza

       Há nas plantas e animais uma predestinação, uma força cósmica, um sentido interno. Esses seres não precisam se esforçar para descobrirem sua teleologia, são como são, seguem naturalmente suas próprias leis. Somente eles podem viver seu próprio destino inteiramente sem mudanças bruscas, somente eles possuem em potência o ato de sua própria realização. Algumas árvores florescem em apenas algumas semanas, outras como o carvalho demoram 40 anos para florescer, algumas vivem apenas alguns meses, já outras como sequoia vivem mais de 3000 anos.  Apesar das enchentes, geadas, secas e inundações as árvores cumprem seu sentido interno, nascem, crescem, florescem e se reproduzem. São seres completos em si mesmos.  A maioria dos homens, ao contrário, são seres gregários, não realizam seu destino, seu sentido interno. São seres determinados e não determinantes, são constituídos e não constituintes, são resignados e não obstinados.

          O homem gregário é um ser que vive ao sabor dos ventos, apenas quer se satisfazer de prazeres imediatos, está sempre agitado e em busca de divertimentos. O filósofo Pascal (2001), que viveu no século XVII, compreendeu muito bem a psicologia desse tipo de indivíduo. Compreendeu as razões que levam os seres humanos a se exporem a tantas paixões, contendas e perigos em seus empreendimentos. Depois de muito meditar,  ele descobriu que os homens são incapazes de ficar em silêncio pensando em suas misérias. Eles fogem de si mesmos.  Nada pode consolá-los de sua infelicidade natural, nada pode consolá-los de sua condição fraca, miserável e mortal. Por isso, procuram cargos, dinheiro, mulheres, jogos e divertimentos. O mal de tudo isso, segundo ele, é que os seres humanos procuram o tumulto não como um simples divertimento, mas como se a posse das coisas que buscam devesse torná-los verdadeiramente felizes. O problema é que não os tornam. Os homens nunca estão satisfeitos com nada. Pensam que se obtivessem um cargo, certa quantia em dinheiro ou uma bela propriedade repousariam em seguida com prazer, mas isso não acontece, são insaciáveis, possuem um desejo excessivo por agitação. Assim, passam toda vida, buscam satisfazer um desejo procurando o repouso, mas logo que satisfazem o desejo,  e alcançam o repouso, não aguentam ficar quietos em casa, o tédio torna-se insuportável. Voltam a mendigar o tumulto e a agitação.

          Além de buscar a diversão como uma necessidade psicológica para fugir de si mesmo, o homem gregário busca seu amor próprio no mundo externo, busca se tornar conspícuo, adquirindo propriedades, dinheiro e títulos. Ele quer ser notório e desejável pelos bens e títulos que adquiriu.  Contudo, seu interior permanece vazio e sua vida é uma escravidão. A grande maioria vive para trabalhar e o parco tempo que lhe resta é gasto no consumo e nos entretenimentos. Esse desperdício de vidas não é apenas uma característica de nossa época.  O escritor e político romano Lucio Anneo Sêneca, contemporâneo de Cristo, já naquela época notava que os homens desperdiçavam suas vidas no luxo e na indiferença. Ele dizia com certa tristeza que os indivíduos permanecem imersos, presos as paixões, “não favorecendo um voltar-se para si próprios”, isso porque “a insaciável ganância domina um, outro, desperdiça sua energia em trabalhos supérfluos, um encharca-se de vinho, outro fica entorpecido pela inércia, um está sempre preocupado com a opinião alheia, outro, por um irreprimido desejo de comerciar, é levado a explorar terras e mares na esperança de obter lucro. O desejo de guerrear tortura alguns, que não se mostram apreensivos em relação aos perigos alheios ou ansiosos aos seus próprios; há aqueles que, voluntariamente, se sujeitam à ingrata adulação dos superiores. Também há os que se ocupam invejando o destino alheio e desprezando o seu próprio. A grande maioria, sem nenhum objetivo, lança-se a novos propósitos levianamente, encontrando apenas desgosto”. (Sêneca, 2007, p.27).

          Como podemos notar os homens desde os tempos antigos nunca se preocuparam em gastar seu tempo consigo mesmos, nunca buscaram um objetivo mais perene e espiritual, nunca buscaram a serenidade interior e a não perturbação da alma. Muito pelo contrário, sempre agiram cegos, em busca da fama, das propriedades, do dinheiro e dos divertimentos. É notório que, dos mais simples aos mais poderosos,  existe uma cegueira no espírito humano. Alguns são subjugados pelo dinheiro, outros por seus superiores, uns por seus negócios, outros por sua sexualidade, um grande número pelos vícios, outros pela vaidade. Para esses homens  a liberdade é uma paixão inútil.

      Mas a natureza não criou somente homens gregários, ela criou também seres capazes de procurarem a realização dentro de si mesmos. Esses homens foram capazes de seguir sua própria natureza, de realizar sua própria essência, seu sentido interno. São homens que possuem um sexto sentido, um sentido interior, possuem uma voz dentro de si, um “Daimon” como chamava Sócrates. São homens que procuraram em sua interioridade a verdade. Eles desaprenderam a serem gregários, a serem iguais entre iguais, a não serem nada. Souberam reconhecer seu destino e viver sua própria vida. Eles deixaram de rastejar, aprenderam a voar. Todos os homens possuem um sexto sentido, mas só alguns são capazes de realizá-lo. O sexto sentido é uma vocação, um chamado, uma busca que deve ser realizada, uma essência que deve ser cumprida.  O sexto sentido é como uma semente que nasce,  se desenvolve e amadurece dentro de nós. É ele que vai nortear a busca da nossa felicidade.  Por isso,  é preciso cultivá-lo.

           O filósofo espanhol Ortega Y Gasset (2002)  em sua obra “Rebelião das Massas” diferencia o homem especial do homem gregário, para ele o homem especial não é o petulante, que se julga superior aos outros, mas o que exige mais de si mesmo, ainda que não consiga atingir essas exigências superiores. Já o homem gregário não atribui a si mesmo um valor, bom ou mau, mas se sente como os outros, igual entre iguais, e isso não lhe causa angústia, nem sofrimento, muito pelo contrário, sente-se bem com isso, sabe que não possui nenhuma qualidade especial fora do comum. Desse ponto de vista, para Gasset, existem duas classes de seres humanos, as que exigem muito de si mesmas e buscam se superar, e as que não exigem nada de si mesmas, não se esforçam para serem melhores do que são. Aqueles que exigiram mais de si mesmos foram os grandes construtores da humanidade. Eles souberam compreender seu sentido interno, sua “vocare” (chamado), seguiram sua própria natureza. Foram seres obstinados, abandonaram os valores gregários, seguiram a si mesmos. Mas sobre eles recaiu também o ódio, o preconceito e a má-fé. Todos aqueles que não aceitaram os preceitos dos homens, os valores estabelecidos foram tidos como anormais, loucos, insensatos. Veja a perseguição a Sócrates, Cristo, Giordano Bruno, Galileu. Eles não foram homens submissos e adaptados, seguiram seu chamado interno. Foram homens solitários, que nunca estiveram em busca de dinheiro ou poder. São os grandes libertadores da humanidade, fizeram com que o ser humano transcendesse sua condição  miserável, fraca e mortal.

         A vida não tem um sentido ou uma finalidade, ela nos é dada vazia, somos nós que devemos norteá-la, somos nós que devemos dar um sentido e uma finalidade a ela. A nossa existência como pessoa depende de nossas ações. Mas essas ações dependem de nossas escolhas. Algumas dessas escolhas podem se tornar dramática, provavelmente causarão grande angústia, agonia e luta interior. Mas o fato é que temos que escolher, pois se não o fizermos estaremos escolhendo uma vida mecânica, rotineira, fútil e vazia, determinada por uma autoridade externa, seja religiosa, ideológica ou institucional. São as nossas escolhas que vão moldar e criar a nós mesmos, são nossas  escolhas que nos tornarão o que verdadeiramente somos.  Quanto mais autopercepção, mais conhecimento,  mais consciência tivermos da nossa vida interior,  mais conseguiremos desenvolver o nosso sexto sentido, que evitarão que as forças deterministas da sociedade tome o lugar da autoconsciência. Em cada homem há um sentido interno, um desejo de liberdade, de ação, de criação, de superação, um ideal de ser e existir que dorme profundamente. Todos nós temos uma realidade divina que ressoa em nossa alma. É preciso que esse sentido interno amadureça, mesmo que tenhamos um caos dentro de nós, pois como afirma Nietzsche, “é preciso ter um caos dentro de si para fazer surgir uma estrela que dance”.

Bibliografia

GASSET, Ortega Y. A rebelião da Massas. Tradução Marylene Pinto Michael. 2 edição.  São Paulo: Martins Fontes, 2002.

 PASCAL, Blaise.  Pensamentos. São Paulo: Martins Fontes. 2001.

 SÊNECA. Sobre a brevidade da vida. São Paulo: L&PM Pocket. 2007.

4 comentários em “O sexto sentido

  1. Muito bom, interessante mesmo o fato de plantas e animais não precisaram se esforçar para descobrirem sua teleologia, porém nós somos tão difíceis para reconhecermos tais coisas.

  2. Sempre fui diferente, dou valor ao que o mundo esqueceu,meu interior é uma busca constante, enfrento tudo com uma direção que não explico só sinto, acho que tbem sou uma planta!

    1. Astrogildo, planta não sei se sou! Mas busco ver e enfrentar minha realidade! Sinceramente queria conversar com você!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s